quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Um profeta do nosso tempo

D. Manuel da Silva Martins disse, há dias, na TSF, que «existe muita fome em Portugal, sobretudo nas famílias constituídas por reformados», onde o orçamento «vai quase todo para os remédios» dos idosos.
«Os responsáveis deste país deviam parar para reflectir um pouco e ver que caminhos deviam abrir para criar um clima de esperança em Portugal», disse aquele que se considera mais uma voz a juntar à de tantos portugueses que vivem mergulhados no desânimo perante as políticas sociais.
Questionado sobre a revisão do Código de Trabalho que já motivou uma manifestação, convocada pela CGTP, que juntou 200 mil pessoas em Lisboa, o primeiro bispo de Setúbal afirmou que o novo documento agride os trabalhadores.
«Este Código do Trabalho agride directamente a dignidade e a capacidade de sonhar sobretudo dos mais pobres e dos mais jovens», mas também das pessoas de meia-idade que ficam desempregadas, destacou, sublinhando que também este assunto deve merecer «uma atenção redobrada por parte de quem manda».
O antigo Bispo de Setúbal sabe o que diz e nunca teve papas na língua. Ficou célebre o seu comentário a declarações de Mário Soares, quando este era primeiro ministro do governo português, nos princípios da década de 80, e que dizia que não havia fome em Portugal:
– Se Portugal é Nafarros, o primeiro ministro tem razão. Tenho a certeza que não há fome em Nafarros, declarou o Bispo referindo-se ironicamente à casa rica do então primeiro ministro.
Foi o seu nunca desmentido compromisso com os mais pobres que levou algumas autarquias a designá-lo seu «cidadão honorário». Também foi condecorado com várias medalhas de mérito, dando o seu nome ao polo de Setúbal da Universidade Moderna e à antiga escola Secundária Nº1, localizada na estrada do Alentejo.
A própria Assembleia da República aproveitou a sessão evocativa dos 60 anos da assinatura, em Paris, da Declaração Universal dos Direitos do Homem, para lhe entregar a medalha de ouro comemorativa do 50.º aniversário daquela Declaração.
D. Manuel da Silva Martins nasceu em Leça do Balio a 20 de Janeiro de 1927. Está, portanto, a completar 81 anos de idade. Este blog presta-lhe sincera homenagem e deseja que continue por muitos anos a ser luzeiro num país que bem precisa de profetas que sejam voz dos mais pequenos e marginalizados.

8 comentários:

Anónimo disse...

Nafarros?!!!
O Mário Soares foi o pior primeiro ministro da democracia...

Olivia Martins disse...

D. Manuel Martins é que devia ser primeiro ministro. Talvez assim não houvesse tanta desigualdade.

Maria João disse...

E quem ouvirá o profeta?????

Que o Espírito Santo nos ilumine!

beijos

Paulinho disse...

muito obg ver pra crer
abraços fraternos, tribo catolica!!!

Marlene Maravilha disse...

A política social em alguns países vive o "caos no mundo."
Cada dia mais, o menos é acrescentado na vida do pobre em todas as circunstancias.
Abracos

Caros Amigos disse...

Este Bispo merece ficar na história, pois soube ser voz dos que a têm.

joaquim disse...

Se não fosse Bispo, muitos falariam dele e até se serviriam do que ele disse.

Mas como é, vai ficando no esquecimento...

Abraço amigo em Cristo

João Alves das Neves disse...

Gostaria de indicar o texto de Teodoro A. Mendes (Tamen) sobre a os Profetas do Nosso Tempo no Blog Revista Lusofonia: http://revistalusofonia.wordpress.com/2009/08/18/profetas-do-nosso-tempo/